Can. On.

Ok, esta é a minha Era da Fotografia! E como boa aluna de História, sei mais que ninguém que o que caracteriza e singulariza uma era é tão somente a sua composição predominante. Então, na Era da Fotografia bem cabe a Literatura, o Cinema, a Animação, o Desenho, a Pintura, a Dança… e por aí vão todos saltitantes. Mas o cérebro está sim aguçado para os pixels, e procura sombra e luz em tudo quanto é canto do universo. Tudo tem composição de cores, toda luz pode ser medida. Todos sabem que em alguns meses, dias ou horas, uma Era será deixada de escanteio pela descoberta e deslumbramento com outra forma de expressão artística. Pode inclusive ser o Grafiti, ou o Design Gráfico. Enfim, haverá sempre a predominância identificadora de uma fase e haverá sempre a mudança de fase. Mas sempre aquela velha e louca fase incipiente de mim mesma. Hoje a tarde foi também sincrética de mim mesma. Ou seja, eclética! Tomei café da tarde com minha amiga-tia (algumas décadas mais velha que eu), e juntas desabrochamos papos de maturidade e leveza. Uma companhia que não se deixa formalizar pelo respeito que a diferença de idade requer. Somos iguais e sinceras em nossas mineiras conversas. Depois do café, pé na estrada rumo ao Anima Mundi. Aliás, o nome merece uma pesquisa etimológica, para depois o quanto antes. Ingresso na mão e quarenta minutos até o início da sessão. Não se trata de um menorsíssimo problema quando se está dentro de um espaço cultural que conjuga exposições artísticas, teatro, biblioteca e acervo musical. Ou melhor, trata-se de um problema gravíssimo para portadores de Síndrome dos Interesses Múltilpos. Mas não significa tédio, e é isso que quis dizer. Comecei coçando ouvidos em nomes promissores da música brasileira, disponíveis em fones acoplados em leitores óticos – como em lojas de música. Nomes promissores e também em consolidadas transcendências. O cd de Hamilton de Holanda reinou as experimentações pela potencialidade  do instrumental e aconchego nas palavras do compositor em relação à própria obra, no encarte. Definitivamente, preciso adquirir e quiçá presentear algum querido com esta jóia. Na biblioteca, livros vários de artes várias. Busquei Fotografia, gostosa e interessante de folhear numa sala de espera. Um livro intitulado “Fotolog.book: a global snapshot for a digital age” produziu fascínio instantâneo, com o sublime prefácio de Nick Currie. No auge do interesse pelas primeiras fotos, hora de correr pra sala de cinema e se preparar para a animação. Início ao fim delirantes no “Curtas 18”. Não consigo descrever, mas gostaria muito de poder postar os vídeos aqui e agora. Posto o que me cabe e pode: palavra, ou melhor, nomes. “The missing key”, sobre um compositor nas frustrações e obstáculos do início de carreira. “Blue”, curta bem ligeiro sobre a inusitada descoberta de um planeta azul fascinante, porém ainda inalcançável. “Bird World”, um mundo em que os padrões de vida humanos pertencem aos pássaros. “Beat”, uma sensacional leitura sobre a rotina cubicamente encaixotada assumida pela maioria, e o pulsante desejo de desvio de um `drummed heart`. “Rew Day”, um dia rebobinado e apreendido no seu nascimento otimista. “The End”, uma deliciosa, realista e bela cena sobre o envelhecimento. A vontade é sempre de correr pra uma próxima sessão de tudo. A vontade é de esgotar algo, mas sempre outro algo aparece e passa a prevalecer por instantes. E depois outro algo assume a liderança. E a ansiedade, esta onipresente, come todo meu ar. Mastiga meu ar e cospe longe, bem longe de mim. Eu fico aqui pensando como seria a respiração automática de uma pessoa desinteressada pelo mundo. Uma pessoa sem estratégia pro amanhã. Eu preciso mover peões e arrastar torres. Uma mala a fazer, dois livros pra ler, presentes a comprar, tudo a (d) escrever. O único dever de casa oficial foi o da psicóloga. Nada menos que encontrar minha essência. Falta ar novamente. Nada mais a se descobrir numa noite desafiadora de quarta-feira.

http://www.animamundi.com.br/pt/festival/programacao_por_sessao.php/323

http://www.hamiltondeholanda.com/pt/discos/Brasilianos2

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Art turns Life into something you can get away with, Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s