El mar

Como é que pode o conjunto de uma existência inteira fazer um tchau tão sincronizado? Um jeito de olhar, de sorrir, de segurar o garfo, de fazer cara de sapeca hexagenária, de reclamar, de bravejar. Um jeito inteirinho todinho de ser dengoso. Um nome, uma história de amor, um vício, uma fraqueza, outro vício, uma força de vontade pra tombar dois vícios… Uma força de vontade pra vencer batalha contra a morte durante 14 dias! Um apego amoroso de 63 anos pela mulher mais fantástica do universo. Um travesseiro, um lugar na cama, alguns tantos pijamas. Alguns tantos filhos e netos que vão carregar pra sempre o nome daquela existência. O nome que tudo leva consigo, que tudo lava e tudo revigora com suas ondas de espuma. A caixinha de óculos sobre a mesa, o controle remoto que parecia anatômico nas mãozinhas já trêmulas. A poltrona da sala, ai meu Deus, a poltrona da sala! A sala inteira, a TV, o tapete, o lugarzinho dele na mesa. O jeito de arrastar a sandália franciscana de avô. Quem mais pode ser avô sem ser ele? Quem vai ensinar? Quem fica com o fardo de mais tantas décadas de existência, com cada vez menos existências? A força eu tenho sim, obrigada. E a vontade impossível e dilacerante de ver e abraçar de novo…

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

One Response to El mar

  1. angelina diz:

    Ah saudade…tem dó de mim….

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s